hipotireoidismo
Você sabe o que é hipotireoidismo?
3 de julho de 2019

Por que precisamos falar de segurança alimentar

segurança alimentar

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a segurança alimentar é fundamental para a saúde pública, a prosperidade econômica, a agricultura, o acesso ao mercado, o turismo e também para o desenvolvimento sustentável. Para disseminar a conscientização acerca deste tema, a ONU mobilizou órgãos como a Organização Mundial da Saúde (OMS) para liderar os esforços da alimentação segura em diversos países.

Dados recentes divulgados pela ONU indicam que os alimentos contaminados afetam principalmente as economias com população de baixa renda, com um custo anual de US$ 95 bilhões em perda de produtividade. Estima-se que cada dólar investido em educação sobre segurança alimentar gere um retorno de US$ 10. Além de evitar o acometimento de doenças e intoxicações, a alimentação segura também permite a ingestão e absorção apropriada de nutrientes e contribui para uma vida saudável.

 

Como melhorar a segurança alimentar em casa

A responsabilidade em garantir a segurança alimentar passa por diversos setores, como governos, órgãos reguladores, agroindústria, cadeia de suprimentos e até mesmo a sociedade. Portanto, além de cobrar dos governantes ações voltadas a este tema, há algumas medidas que você pode adotar em casa:

– Lavar bem as mãos antes de manipular qualquer tipo de alimento. Saiba mais sobre a importância da higienização das mãos neste post.

– Além de lavar bem as mãos, lave também os utensílios ao manipular alimentos diferentes. Isto evita a contaminação cruzada.

– Lave bem as frutas, legumes e verduras em água corrente. Se possível, deixe-as de molho em uma solução com água e hipoclorito de sódio.

– Descongele alimentos dentro da geladeira e não congele novamente aqueles que já tenham sido descongelados.

– Mantenha a temperatura da geladeira abaixo de 4ºC e do freezer entre -12ºC e -15ºC.

– Armazene alimentos, dentro ou fora da geladeira, em recipientes fechados com tampa ou cobertos.

– Evite ingerir carnes malpassadas, alimentos crus como ostras e crustáceos e ovos em que a gema esteja crua. Também evite usar ovos crus em receitas.

– Evite consumir em estabelecimentos nos quais você desconheça ou não confie nas condições de higiene.

Leia também: Intoxicação alimentar: quais alimentos são mais perigosos

segurança alimentar